Sensação Térmica

Sensação Térmica

A Sensação Térmica – ou a chamada Temperatura Aparente – é a forma como os nossos sentidos percebem a temperatura do ar, e que pode diferir da temperatura real – aquela que os termômetros medem. Tal se deve a condicionantes climáticos que afetam a transferência de calor entre o corpo e o ar: como são a umidade, a densidade e a velocidade do vento.

A pele, o nosso maior órgão, recebe as sensações que identificamos, como a dor, pressão, frio e calor (estas duas chamadas “sensações térmicas”), etc. Como exemplo, damos o vento de ar quente, que, ao bater-nos na pele parece-nos frio (devido à velocidade dele, e umidade do ar ou da pele); este ar aquecerá o espaço onde tenha entrado, contudo, enquanto é vento (enquanto tem movimento), poderá até parecer-nos frio aos sentidos – ao parar deixa-nos perceber com maior realismo a sua temperatura mais elevada.

Para quem vive num clima quente, ou onde há estações quentes, o conceito de sensação térmica associada ao vento pode parecer de pouca importância, embora também aí se saiba que a brisa e o vento dão a sensação térmica de refrescamento (como já foi dito). Porém, em países mais frios, ou épocas frias, o abaixamento de temperatura causado por ventos fortes pode ser mais evidente e provocar diversos problemas sérios a um corpo pouco protegido, como por exemplo a hipotermia.

O termo sensação térmica foi popularizado após a Segunda Guerra Mundial, quando as tropas alemãs fracassaram numa tentativa de invasão à Rússia durante o seu inverno rigoroso. Foi a partir daí que o exército americano criou um índice de avaliação da sensação térmica relacionado à velocidade do vento. Esse índice popularizou-se e passou a ser divulgado juntamente com as temperaturas em todo o mundo.

Um exemplo prático que aconteceu conosco numa de nossas viagens a Madrid, num final de mês de junho:

Passamos dois dias com temperaturas sendo registradas em 41ºC, pensamos que íamos sofrer bastante, nem poderíamos sair para passear à pé – nosso esporte favorito: bater pernas – já que na cidade onde moramos (São Paulo) uma temperatura de menos de 36º já é um horror para suportar. Mas que nada – aliada à uma fraca brisa (fraca mesmo), com uma baixa umidade relativa do ar (característica do deserto que envolve Madrid), e a alta concentração e distribuição de praças e ruas, todas muito arborizadas, nos deixou com uma sensação do tipo: estamos como os 29º de São Paulo; ou seja, ainda era calor, mas nada parecido com as mesmas temperaturas em São Paulo ou, pior, no Rio de Janeiro.

Então é isso: na hora de planejar sua próxima viagem e definir seu roteiro, mas antes de comprar as passagens e fechar o hotel, confira a Sensação Térmica e o Clima da Cidade que queres visitar, para definir o melhor período possível para sua viagem não virar um pequeno – ou grande – tormento e estragar sua viagem tão esperada.

Francisco Panizo

Engenheiro um dia, agora Analista de Informática, Amante dos Esportes a Motor, e mais recentemente Viajante com gosto.

Um comentário em “Sensação Térmica

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.